Artigo | Social Media & e-Recruitment

Revista Recursos Humanos Magazine Setembro / Outubro 2011



Com o aparecimento da Web 2.0, os novos meios online forçaram empregadores e recrutadores a questionar as técnicas utilizadas, quer pela óptica da eficiência na identificação de talento quer pela óptica da redução de custos. Este artigo procura oferecer algumas orientações para este meio de recrutamento, mais concretamente para a identificação de capital intelectual.


  INTRODUÇÃO Actualmente, o e-recruitment ou recrutamento online representa uma das mais recentes aplicações no domínio da gestão das pessoas. Os dados de um estudo recente da Career Enlightenment indicam que, em 2010, 92% dos empregadores recorreram as redes sociais para recrutar candidatos. A rede mais usada para este fim foi o LinkedIn, seguido pelo Facebook e pelo Twitter. As empresas compreendem que o recurso às redes sociais para recrutar candidatos é um dos meios mais eficazes. Até à data, a tendência não se tem alterado. Durante este ano e ainda de acordo com o estudo, 80% das empresas recorreram ao LinkedIn, 50% ao Facebook e 45% ao Twitter. O estudo estima que cerca 14,4 milhões de pessoas encontraram o último trabalho através das redes sociais. Para os candidatos, a grande vantagem do recrutamento online prende-se com a possibilidade de publicitarem e distribuírem informação quanto ao seu percurso profissional, experiência e objectivos de carreira de forma permanente (24 horas por dia) e global. Embora o fenómeno das redes sociais seja bem alargado, concentramos a nossa atenção no quarteto dourado das redes sociais do momento: Facebook, LinkedIn, Twitter e Google.   FACEBOOK A rede mais popular do planeta, com mais de 750 milhões de utilizadores em todo o mundo (aproximadamente 4 milhões em Portugal), apresenta inúmeras soluções na área do recrutamento. Das páginas das empresas de recrutamento às aplicações dedicadas para o efeito, as opções são variadas e atraem rapidamente os utilizadores a estes locais com custos muito mais reduzidos. Fundado há um ano, o BranchOut é uma aplicação do Facebook, que visa competir com o LinkedIn e que tem como principal vantagem a abrangência a maior rede social do mundo. Actualmente, usufruem desta ferramenta profissional mais de 2,6 milhões de utilizadores em todo o mundo, que procuram emprego ou que procuram candidatos.   LINKEDIN O LinkedIn é considerado a maior rede social profissional do mundo, com mais de 120 milhões de utilizadores em cerca de 200 países. Portugal tema mais de 700 000 utilizadores. Na análise ao sector, o LinkedIn apresenta cerca de 2000 utilizadores portugueses na área do recrutamento e executive search. Encontrar candidatos qualificados no LinkedIn pode ser altamente eficaz quando executado correctamente. Aliás, como já falámos anteriormente, uma percentagem muito significativa de empresas já efectua os seus processos de recrutamento através do LinkedIn. A realidade portuguesa tem seguramente aumentado a utilização desta plataforma. Dicas para encontrar os melhores talentos no LinkedIn 1-Saiba onde procurar Para um recrutador, tempo é dinheiro e um recrutador forte deve saber onde encontrar as suas fontes no LinkedIn. A primeira fonte de contactos é a própria rede de recrutador! Os utilizadores associados a estas actividades de recrutamento devem desenvolver uma boa rede de contactos para servir de ponto de partida para a procura de candidatos passivos no LinkedIn. O desenvolvimento da sua rede de contactos vai depender de vários factores: – Perfil LinkedIn completo; – Profile organizer: o LinkedIn apresenta uma solução paga que pode resolver alguns problemas para os recrutadores. Esta solução oferece uma melhor optimização da base de contactos; – Grupos LinkedIn: a participação em grupos LinkedIn é fundamental para se associar às comunidades especializadas de utilizadores. Para além dos grupos dedicados às áreas de especialidade, procure também ligar-se a grupos de grande volume de membros, com relevância geográfica. Existe mais de 1 milhão de grupos no LinkedIn! Em cada grupo, pode também efectuar pesquisas avançadas dos respectivos membros. Uma das funcionalidades mais apreciadas pelos recrutadores é a secção de emprego que consta da estrutura de cada grupo. Esta funcionalidade não tem qualquer custo para o utilizador que partilha a informação sobre a procura de candidatos a emprego. 2 – LinkedIn Jobs Esta é a página principal de emprego no LinkedIn. Esta opção tem custos para o utilizador, mas a possibilidade de colocação das propostas para recrutar e a grande visibilidade junto dos candidatos tornam esta área muito apelativa. Neste caso, o candidato virá ter consigo! 3 – Técnicas de pesquisa de candidatos A procura activa de candidatos entre os membros do LinkedIn pode ser feita por: palavras-chave, qualificações pretendidas, skills, etc. As opções de pesquisa avançada são muito diversificadas: – Palavras-chave; nome; empresa (actual ou anterior) – o LinkedIn tem um campo de ajuda para selecção da empresa onde procuramos candidatos; escola de formação; localização – também neste filtro, o LinkedIn apresenta uma imensa lista de locais; relacionamento – o grau de relacionamento com potenciais candidatos. Este elemento volta a reforçar a importância de uma boa rede de contactos; indústria – listagem de todas as indústrias. Qualquer uma das opções pode e deve ser usada em cada processo de pesquisa. Irá seguramente oferecer-lhe resultados de pesquisa diferentes. As novas funcionalidades do LinkedIn Signal e o LinkedIn Skills são também excelentes ferramentas de procura de potenciais candidatos. 4 – LinkedIn Talent A opção LinkedInmais eficaz é o recurso a uma conta avançada orientada para o tipo de utilizadores que temos vindo a analisar. Esta conta avançada representa uma excelente opção para qualquer recrutador, pois organiza de forma sistemática toda a sua actividade profissional. É amplamente reconhecida no mercado global.   TWITTER Esta rede de microblogging apresenta números impressionantes com a criação de mais de 460 000 novas contas por dia. Milhares de utilizadores publicam mais de 150 milhões de tweets diariamente. Os recrutadores têm reforçado a sua utilização seja para alavancar ofertas de emprego seja para pesquisar candidatos e áreas de interesse. As técnicas de pesquisa no Twitter auxiliam muito o recrutador em todo o processo.   GOOGLE PLUS Esta nova “rede social” revoluciona um pouco o conceito das comunicações normalmente presentes na web2.0, pois mistura conceitos diferentes (blogging, microblogging e instant messaging, por exemplo) numa abordagem mais flexível e personalizável. Existe na comunidade Web a nível global uma grande expectativa em relação às páginas corporativas dentro desta aplicação, que foi já considerada a maior iniciativa desenvolvida pela Google depois do lançamento do sistema operativo Android.   Será que o recrutamento através das redes sociais é eficaz? Parece-nos que sim! Embora tenhamos sempre que distinguir entre o processo de recrutamento e o processo de identificação de talento. São aspectos diferentes. Na nossa particular opinião, as redes sociais ajudam muito na identificação de talento. O processo de recrutamento, dependendo da empresa, pode ser mais complexo e exigir outro tipo de análise. Não diríamos que cada empresa vai ser capaz de recrutar, de forma eficaz, através das redes sociais, mas é uma óptima alternativa para os pequenos empresários e as PME cortarem alguns custos de recrutamento nestes tempos difíceis.   Rui Pedro Caramez Consultor do Let’sTalkGroup Social Media Strategy   Ricardo Andorinho Consultor do Let’sTalkGroup Social Media e Business Development   in Recursos Humanos Magazine, Setembro/Outubro 2011   Porto | Social Media & e-Recruitment 15 Novembro 2011 – Hotel Mercure Gaia, Vila Nova de Gaia Consulte o programa completo aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *