Linkedin- Quantidade vs Qualidade

Guest Post: Ricardo Andorinho



Muitas pessoas dizem que a quantidade da rede de contactos no Linkedin não interessa. O que interessa é a qualidade. Espero que no fim deste artigo possam entender que esta perspectiva, com todo o respeito por todas as pessoas com uma conta Linkedin criada, não está correcta e passo a explicar o porquê com alguns exemplos:

A quantidade é um número e portanto objectivo.

A qualidade é um valor subjectivo e muda de usuário para usuário. Um contacto de grande valia para mim, pode ser um contacto muito fraco para outro usuário.

A respeito da quantidade, poucas pessoas sabem que neste momento tenho na minha rede Linkedin 13,592 contactos directos que me relacionam com 19,338,100 usuários Linkedin em todo o mundo. Se poucas pessoas sabem deste número, nenhuma sabe dos critérios que utilizei para o construir. Se existem cerca de 75,000,000 de usuários no Linkedin existirão cerca de 75 milhões (para não escrever tantos zeros) de estratégias e um número exponencial de tácticas. A outra variável a reter é que só eu sei como esses contactos entraram e entram para a minha rede. Ou seja, por muito que vos possa parecer estranho, eu não convido muita gente, ao dia de hoje. Já o fiz com um critério muito rigoroso. É também verdade que convidei pessoas que não conheço pessoalmente, embora neste ponto, seja uma pessoa que tenha uma perspectiva muito própria acerca do que é conhecer bem uma pessoa. Todos nós nas nossas vidas conhecemos pessoas que estavamos seguros que teriam determinado comportamento e conduta em determinada situação e afinal, tiveram outro. É aqui que penso que a forma de nos relacionarmos, ao dia de hoje, já mudou. Para mim é suficiente, saber que existe alguém interessado em relacionar-se profissionalmente comigo, seja com que objectivo fôr. Se tiver um comportamento não alinhado às normas que tenho implementadas, posso apagar o contacto.



Falo em normas muito rigorosas de trabalhar a rede Linkedin porque estou a falar de uma forma de tratar pessoas que neste caso são profissionais que entendem que a única forma de sobreviver na actual Economia é ser um bom Networker. Mas ser um bom networker dá muito trabalho. Mais do que muitas outras profissões, como por exemplo… desportista profissional…

Na prática deixo-vos dois exemplos:
1. Fui contactado por duas empresas para vender a minha rede de contactos. Não cheguei a ouvir as propostas financeiras, porque respondi que não estava à venda. E é aqui que tudo muda, vender ou não vender é uma decisão minha. Só minha. Eu é que sei o trabalho que deu construir a minha rede, a metodologia, e a forma como está construída.
2. Um networker internacional com grandes projectos em clientes internacionais, na área de tecnologias web, está com uma proposta nas mãos para agregar uma multinacional ao seu grupo Linkedin de 3,000 membros pela módica quantia de 50 euros por membro. A conta é fácil de fazer.

Se a qualidade de um contacto pode ser a melhor coisa que tem como usuário, a rede só desperta interesse alheio se tiver um número grande. Por outro lado os critérios de busca e o alcance de uma rede grande dão possibilidades de busca e de estudarmos o mercado de recursos humanos com uma margem de erro muito inferior quando comparamos a mesma sitação em redes pequenas.

3 comments

  • Muito oportuna esta reflexão sobre uma comunicação nova, que está se construindo.
    A propósito, gostaria de saber sua opinião, e de outros paticipantes, também.
    Pode-se mandar emmkt para o email dos seus contatos, ou, a comunicação precisa ser desenvolvida e reforçada apenas pelo linked in?
    Existe um código de conduta a respeito?

  • É muito pobre medir o relacionamento em redes sociais por número de contatos. A qualidade deveria estar sempre em primeiro lugar.
    .-= Reinaldo Silva´s last blog ..SAS anuncia ferramenta de análise focada no Twitter =-.

  • Obrigado Reinaldo pelo seu comentário. Eu não disse que a qualidade não é um critério mais importante que a quantidade. Estou a falar de comparar redes profissionais e do interesse que elas despertam. Em situação nenhuma penso que a quantidade se deva sobrepor à qualidade. Apenas reitero que a qualidade é um critério subjectivo e a quantidade objectivo. Obrigado pelo seu comentário ainda que negativo à minha exposição.

    Abraços
    ricardo
    .-= Ricardo Andorinho´s last blog ..Para Pensar! Público =-.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *